X

Notícias

17jul

Crise na IURD sem fim à vista

Social | | Return

A crise na Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola ganha contornos de consequências imprevisíveis, com a subida de tom da troca de acusações entre bispos e pastores angolanos e brasileiros, numa altura em que o processo já corre trâmites na Justiça.

Nos últimos dias, vários pastores angolanos apresentaram novas denúncias, através da Televisão Pública de Angola, de supostas “desigualdades” no tratamento dos fiéis. 

Em declarações à Televisão Pública de Angola, quinta-feira, o pastor Milton Ribeiro reiterou as acusações de discriminação racial, lavagem de dinheiro e branqueamento de capitais.

De acordo com o religioso, o dinheiro arrecadado era enviados para o Brasil, de forma “ilegal”.

Na essência, a questão da evasão de divisas para o Brasil é uma das maiores preocupações trazidas à estampa pelos servidores angolanos da Igreja liderada pelo brasileiro Bispo Edir Macedo.

Mas a lista de denúncias não se limita à questão económica, havendo vários pastores e bispos angolanos a reafirmar que “não gozam” das mesmas regalias dos "irmãos" do Brasil.

Por entre as várias denúncias, já formalizadas à Procuradoria-Geral da República (PGR), salta à vista, igualmente, a questão da vasectomia, processo de castração para evitar que os pastores angolanos tenham filhos.  

Os pastores angolanos e respectivas esposas, ouvidos pela Televisão Pública de Angola, falam da “falta de condições sociais” para os fiéis angolanos, apesar das grandes somas monetárias que oferecem à Igreja.

Outro aspecto que tem agudizado a crise é o facto de a liderança brasileira, conforme os denunciantes, não ter investido em qualquer infra-estruturas em Angola, além de templos.

Afirmam que, apesar das “altas somas” colhidas dos fiéis, a IURD “nunca ergueu” escolas, hospitais ou centros de saúde para apoiar os angolanos.

Em resposta, pastores brasileiros afirmaram, por via da TV Record Angola, que se trata de uma “campanha pública” contra a liderança brasileira.  

A crise de liderança na IURD é mais acentuado na província de Luanda, onde foi constituído o "núcleo duro" da direcção dos reformados, que dizem fechar a porta às negociações.

Segundo essa comissão, a ala angolana já controla mais de 30 templos em várias localidades do país, aventando a hipótese de “angolanizarem” a Igreja Universal.

Os bispos e pastores angolanos, que se demarcaram da ala brasileira fiel a Edir Macedo, ocuparam algumas igrejas em Luanda e nas províncias de Benguela, Huambo, Malanje, Namibe e Cuanza Sul.

Os angolanos acusam os brasileiros de irregularidades e montaram, segunda-feira última, o seu “estado-maior“ na Catedral do Morro Bento, localizada na Avenida 21 de Janeiro.  

Liderados pelo bispo Valente Bizerra, os pastores angolanos decidiram romper, em Novembro último com a representação brasileira em Angola encabeçada pelo bispo Honorilton Gonçalves. 

Entretanto, na província da Huíla, o quadro é “menos tenso”, sendo que brasileiros e angolanos ainda “convivem” de forma harmoniosa.

Em declarações à ANGOP, o representante local da igreja, Castro Capassa, afirmou que fiéis e pastores "vivem em inteira harmonia".

De nacionalidade angolana, o pastor frisou que mantém as ligações de “dependência espiritual” com a igreja do Brasil, para melhor servir a actividade de evangelização.  

Afirmou que vão avançar com uma proposta à liderança de Edir Macedo, para a necessidade de “divisão” dos proventos locais, com o fito de poderem  implementar alguns projectos sociais (escolas do ensino geral, universidade e um centro de formação técnico-profissional).

Actualmente, a Huíla conta com um bispo brasileiro e mais três pastores, que servem a sede e oitos igrejas nos municípios.

Attachments

Related

 
Avisos Consulado

Pela presente, o Sector Consular da Embaixada de Angola na República Federal da Alemanha, informa que, doravante, no acto de tratamento de questões de natureza consular, procederemos ao uso do termómetro de medição da temperatura, o uso obrigatório da máscara,  desinfectantes (Álcool-Gel), bem como o distanciamento de pelo menos de um (1) metro e meio no contacto com as pessoas .

Augurando por dias melhores, cordialmente nos despedimos.

Berlim, aos 22 de Junho de 2020.-  

Reclamções e consultas do Sector Consular  ligar para +491602019523

PARLAMENTO DE ANGOLA

Visitar
 

BANCO NACIONAL DE ANGOLA

Visitar
 

LINKS ÚTEIS

Visitar