X

Notícias

16set

Covid-19 provoca redução da actividade petrolífera

Economia | | Return

A redução da actividade de perfuração, cujos prejuízos financeiros ainda estão por quantificar, é uma das consequências do impacto da Covid-19 sobre o sector petrolífero em Angola.

 

O facto foi anunciado esta quarta-feira, em Luanda, pelo porta-voz da Associação das Companhias de Exploração e Produção de Angola (ACEPA), Andre Kostelnik, a saída de uma audiência com o Presidente da República, João Lourenço.

O também director-geral da Exxon Mobil em Angola sublinhou que "a situação impediu outras oportunidades de investimentos", reiterando que, nesta altura, o impacto da pandemia sobre a indústria do crude ainda não se pode quantificar.

Segundo Andre Kostelnik, o futuro da actividade petrolífera em Angola não foge da situação mundial nesse segmento e a retomada da sua exploração acontecerá a medida que a economia for crescendo a nível global.

Assumiu-se “o compromisso de continuar a trabalhar em conjunto, tal como no passado, a fim de se encontrar soluções e, por via disso, trazer mais investimentos para Angola no futuro", disse o gestor.

O encontro do Presidente João Lourenço com representantes de companhias petrolíferas que operam em Angola, abordou também os desafios emergentes que a pandemia da Covid-19 está criar à população.

Assistiram à audiência o ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, e o presidente do Conselho de Administração da Sonangol,

Integram a Associação das Companhias de Exploração e Produção de Angola (ACEPA) as companhias Total, Chevron, Esso, ENI, BP, Exxon Mobil e Somoil.

Produção Petrolífera em Angola

Em Agosto último, Angola registou uma produção na ordem de 1,2 milhões de barris de petróleo por dia, mais 24 mil face a Julho, segundo o relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Com isso, o país manteve a posição de segundo maior produtor de África a Sul do Sahara, atrás da Nigéria, mais de 1,4 milhões de barris/dia.

O sector petrolífero representa mais de metade das exportações totais angolanas e cerca de 80 por cento das receitas fiscais.

No período de 2019 a 2025, no quadro da Estratégia Geral de Atribuição de Concessões Petrolíferas, estarão em concurso público 49 concessões de hidrocarbonetos, para exploração, pesquisa, desenvolvimento e produção.

Aprovada a 18 de Fevereiro de 2019, pelo Presidente da República, João Lourenço, a referida Estratégia responde ao declínio natural na produção de crude em Angola.

A pandemia da Covid-19 atingiu a procura de petróleo devido às restrições de circulação e redução das viagens, o que causou uma queda do consumo mundial do produto.

Entre outras, operam em Angola empresas Total, Chevron, Cobalt, ENI, Exxon Mobil, Petrobras e Tullow.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) é a concessionária nacional, com atribuições específicas de regular, fiscalizar e promover a execução das actividades petrolíferas no domínio das operações e contratação.

Actualmente existem em Angola mais de 10 blocos de exploração de petróleo.

Attachments

  1. PETROLEO-MOÇAMBIQUE.jpg 16/09/2020 23:18:07

Related

 
Avisos Consulado

Pela presente, o Sector Consular da Embaixada de Angola na República Federal da Alemanha, informa que, doravante, no acto de tratamento de questões de natureza consular, procederemos ao uso do termómetro de medição da temperatura, o uso obrigatório da máscara,  desinfectantes (Álcool-Gel), bem como o distanciamento de pelo menos de um (1) metro e meio no contacto com as pessoas .

Augurando por dias melhores, cordialmente nos despedimos.

Berlim, aos 22 de Junho de 2020.-  

Reclamções e consultas do Sector Consular  ligar para +491602019523

PARLAMENTO DE ANGOLA

Visitar
 

BANCO NACIONAL DE ANGOLA

Visitar
 

LINKS ÚTEIS

Visitar